“A Cartomante”,  um card game baseado na obra de Machado de Assis (*)  é o primeiro lançamento da Oficina Lúdica, uma produtora de jogos de cultura, que ofrece várias formas de entretenimento alternativas que agreguem algo mais à experiência da diversão de jogos de tabuleiro e cartas, sejam eles físicos ou digitais, histórias em quadrinhos e animações.

“A Cartomante” é um jogo voltado especialmente para o público juvenil (a partir dos 14 anos) e, para ser jogado por 3 pessoas.

Suas ilustrações e sua identidade visual remetem ao período que ficou conhecido como belle époque, época quando se passa o conto escrito por Machado de Assis no final do século XIX.

Os cards de maior destaque no jogo estão diretamente ligados aos arcanos maiores do Tarot de Marsella, o mais tradicional oráculo de divinação trazido para os tempos atuais e também presente no conto em questão. As figuras e personagens do conto estão representadas arquetipicamente pelo significado destes arcanos nas imagens ilustradas.

Com foco no entretenimento e no desafio proporcionado pela estratégia de jogo, “A Cartomante” também pode ser utilizado para fins educacionais pois traz o contato direto com trechos do texto original de Machado de Assis, um autor Brasileiro indispensável na cultura e no aprendizado escolar.

O jogo “A Cartomante” custa R$28,00 e para comprar ou saber mais, clique aqui.

E, para jogar os melhores jogos Online, visite o MegaJogos .

(*) Sobre o escritor Machado de Assis:
Joaquim Maria Machado de Assis (1839 — 1908) foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional.
Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época.
Machado de Assis é considerado um dos grandes gênios da história da literatura, ao lado de autores como Dante, Shakespeare e Camões.

Deixe um comentário